Gizmodo



Apple

O iPhone X está vendendo bem, e a Apple continua a lucrar, mas Tim Cook tem sido bem explicito ao dizer que realidade aumentada é o próximo passo. E agora temos um monte de novos detalhes sobre o dispositivo de realidade aumentada que a Apple está supostamente desenvolvendo.

De acordo com a Bloomberg, a equipe em Cupertino está trabalhando duro em um headset de realidade aumentada com um chip customizado que se encarregaria de todo o sistema, um novo sistema operacional projetado especificamente para a realidade aumentada, e um dispositivo semelhante ao Gear VR da Samsung. O objetivo é ter um headset que funcione por si próprio pronto em 2019, e que chegue ao mercado em 2020. O codinome do projeto é “T288”.

Cook vem contemplando o potencial da realidade aumentada há um bom tempo, mas, recentemente, ele disse a repórteres que “a tecnologia [ainda] não existe” para produzir um dispositivo de realidade aumentada de qualidade. Mas considerando o avanço do ARKit para os desenvolvedores do iOS 11, a companhia não parece perder tempo. A Apple está deixando seus usuários familiarizados com interações em realidade mista, e permitindo que apps sejam disponibilizados em um eventual dispositivo dedicado. Parece que a companhia quer construir algo atraente e tudo-em-um. Da reportagem:

Assim como produtos anteriores, a Apple não está esperando que alguém crie um chip capaz de potencializar um headset de realidade aumentada. A companhia está internamente projetando um componente que agrega vários chips em um, semelhante ao que é feito no Apple Watch. Chips como estes podem acomodar mais componentes – processadores gráficos, chip de inteligência artificial, CPU – em uma área menor que a de processadores comuns; eles também consomem menos energia.

Conforme dispositivos ficam menores e mais finos, a corrida para encaixar mais componentes em um único chip é crucial. A Intel recentemente firmou parceria com a AMD para colocar em um único chip o processador, GPU e memória RAM e espera-se que ele seja usado em laptops. Diminuir os componentes para construir um headset que pode produzir vídeo em 3D, interações, ter uma bateria boa e seja confortável de usar por longos períodos não é um pedido simples. Aparentemente os engenheiros da Apple não têm um protótipo bom o suficiente para usar em testes, então, por agora, eles trabalham com headsets HTC Vive para montar o rOS – ou “reality operating system”.

Geoff Stahl está supostamente liderando a equipe do rOS, que tenta entender como os usuários irão interagir com o dispositivo – paneis de toque, controles por voz da Siri, e gestos com a cabeça são todas possibilidades. Uma app store dedicada a aplicações em realidade aumentada também parece estar em produção.

No caso dos apps, a Bloomberg afirma que uma nova versão do ARKit pode surgir em 2018. A atualização ajudaria no processo da eventual transição de conteúdo para o headset. Rastreamento persistente permitiria aos usuários inserir um objeto virtual no mundo real, e ele manteria a mesma posição com o passar o tempo – um novo passo para o Metaverso. Novas ferramentas para criar jogos multiplayer também são esperadas.

A reportagem diz que a Apple também está desenvolvendo sua própria versão do Gear VR para testes internos, usando o hardware do celular para criar um headset de realidade aumentada rudimentar. Por enquanto, o plano é apenas usar este dispositivo internamente, mas ninguém sabe como estará o cenário tecnológico em dois anos. Quando o assunto é o número de vendas, o Gear VR já deixou outros dispositivos VR mais poderosos comendo poeira. Podemos ver uma versão barata do Apple Gear VR algum dia, especialmente se a companhia não conseguir fazer seu plano de realidade aumentada vingar.

Mas com o tanto de grana, o número de vendas do iPhone e a lentidão dos concorrentes, Cook e companhia tem tempo de sobra para nos impressionar.

[Bloomberg]

Imagem de topo: desenho de um dispositivo VR patenteado pela Apple (US Trademark Office)




VOLTAR AO TOPO