Gizmodo



história

Uma equipe de pesquisadores civis descobriu destroços do USS Indianapolis, um navio da Marinha dos Estados Unidos abatido pelas forças japonesas em julho de 1945, resultando na perda de três quartos de sua tripulação.

• Máquina de criptografia usada por nazistas e encontrada por R$ 370 é leiloada por R$ 165 mil
• Cientistas revelam o segredo do concreto romano indestrutível

De acordo com um comunicado da Marinha, dois torpedos submarinos japoneses atingiram o navio, o fazendo afundar aproximadamente 5.500 metros abaixo da superfície do Oceano Pacífico, nos momentos finais da Segunda Guerra Mundial.

O navio afundou em aproximadamente em 12 minutos, prevenindo a transmissão de um sinal de socorro. Embora cerca de 800 dos 1.196 marinheiros e fuzileiros tenham sobrevivido ao afundamento inicial, nos quatro dias seguintes eles boiaram em águas cheias de tubarões e com poucos suprimentos e, no final, apenas 316 conseguiram voltar para suas casas. O navio tinha acabado de entregar componentes para a bomba atômica que depois foi explodida em Hiroshima.

O filantropo Paul G. Allen liderou a equipe de buscas de 14 pessoas, que se valeu de estimativas do Dr. Richard Hulver da Naval History and Heritage Command para delimitar o perímetro de buscas para aproximadamente 1550 quilômetros quadrados. A equipe também conseguiu localizar o Indianapolis utilizando “equipamentos submarinos de ponta capazes de mergulhar a seis mil metros”, partindo do Navio de Pesquisa Petrel de 76 metros, e que ainda está no processo de conhecer e mapear o local.

“O Petrel e suas capacidades, a tecnologia que ele tem e a pesquisa que fizemos, são resultados de anos de dedicação e trabalho duro”, disse Robert Kraft, diretor de operações submarinas de Allen, à Marinha. “Montamos e integramos essa tecnologia, os ativos e capacidade única para operar a plataforma, que agora é uma das únicas do planeta”.

Fotos das embarcações mostram partes dela que estão extraordinariamente bem preservadas. A quase 5.500 metros de profundidade no oceano, a descoberta chega perto de bater recordes mundiais para os destroços encontrados em maiores profundidades. Hoje, esse recorde é do SS Rio Grande da Alemanha, também da era da Segunda Guerra Mundial, encontrado a 5.760 metros.

De acordo com a Marinha, a equipe de Allen está de acordo com as práticas padrões de tratamento ao local, como um cemitério de guerra e não está o perturbando – o que respeita o desejo de 22 tripulantes sobreviventes que ainda estão vivos e das famílias.

[Naval History and Heritage Command]

Foto do topo: O USS Indianapolis em 1945, imagem tirada apenas 20 dias antes dele ser abatido. Crédito: US Navy




VOLTAR AO TOPO