Gizmodo



Processadores

A Intel ainda trabalha em atualizações de firmware para a grave falha de segurança afetando todos os modelos de processador moderno da empresa, e desenvolvedores de diversas plataformas estão trabalhando para consertar o problema. Enquanto isso, o primeiro grande efeito prático disso tomou forma. A desenvolvedora Epic Games, do jogo Fortnite, atribuiu seus recentes problemas de login e instabilidade ao esforço de amenizar a vulnerabilidade Meltdown.

• Processadores Intel fabricados na última década possuem grande falha de segurança
• Falha em processadores é maior do que imaginávamos e afeta Intel, AMD e até smartphones

Nos dias seguintes à revelação da vulnerabilidade, foi dito que as correções do problema de segurança poderiam aumentar, por si só, a utilização da CPU em 30%, exatamente o que aconteceu com a Epic Games após lançar patches para seus serviços de back-end, com o salto imediato ficando bem claro no gráfico disponibilizado pela empresa e que você vê abaixo. Esse salto na utilização de CPU, segundo a empresa, seria o motivo por trás dos problemas recentes no jogo Fortnite.

Imagem: Epic Games

“Todos os nossos serviços de nuvem estão afetados por atualizações necessárias para mitigar a vulnerabilidade Meltdown. Nós contamos bastante com serviços na nuvem para rodar nosso back-end e poderemos passar por mais problemas de serviço devido às atualizações em andamento”, afirmou um porta-voz da Epic Games em um post de fórum.

A empresa está trabalhando com fornecedores de serviço na nuvem para resolver os problemas. Essas plataformas, aliás, correm bastante risco, já que vários clientes costumam compartilhar a mesma CPU, o que faz com que uma falha de segurança dessas torne vulneráveis vários negócios ao mesmo tempo. Esses serviços têm corrido contra o tempo para consertar as vulnerabilidades

Já a Intel afirma ter tido avanço significativo no desenvolvimento das atualizações para proteger contra o Meltdown e o Spectre, tornando os computadores “imunes” ao Meltdown e ao Spectre. Segundo a própria empresa, usuários convencionais não sentirão problemas no desempenho de seus computadores.

Uma falha de projeto nos processadores modernos da Intel permite que programas maliciosos leiam partes protegidas da memória kernel de um dispositivo (memória dedicada aos componentes centrais e essenciais de um sistema operacional e suas interações com o hardware). O problema pode permitir a exposição de informações protegidas, como senhas, o que explica a correria geral para consertá-la logo após a revelação do problema.

[The Verge]

Imagem do topo: Divulgação




VOLTAR AO TOPO