Gizmodo



bitcoin

Agentes federais não veem a hora de converter uma grande quantidade de bitcoins apreendidos de um traficante pois temem que a moeda digital possa desvalorizar a qualquer momento.

O governo americano apreendeu mais de 513 bitcoins e 512 Bitcoin Chas de Aaron Shamo durante uma operação do ano passado por venda de farmacêuticos sintéticos contendo fentanil nos mercados negros da internet. Shamo também foi detido com 500 mil pílulas e US$ 1 milhão em dinheiro vivo armazenados em sacolas de lixo, de acordo com as autoridades. Durante a apreensão de Shamo, os bitcoins do traficante valiam cerca de US$ 500 mil. Ontem, a mesma quantidade de bitcoin valia US$ 8.5 milhões. E hoje, ela vale quase US$ 10 milhões.

Mas a procuradoria de Utah teme que a criptomoeda não continuará valorizada por muito tempo, baseado em um recente documento judicial que menciona a volatilidade da moeda. Na terça, um juiz federal de Utah permitiu que o dinheiro apreendido fosse vendido. O lote, que está atualmente no bolso do governo, será vendido para que moeda em dólar americano possa ser confiscado pelo Tesouro Nacional dos EUA, de acordo com informações do Ars Technica.

Melodie Rydalch, uma porta-voz da procuradoria de Utah, disse a Associated Press que enquanto a venda de veículos confiscados é algo comum para o estado, a venda de bitcoins confiscados, por sua vez, é uma atividade nova para os procuradores federais de Utah.

Esta será provavelmente a maior quantidade de dinheiro que autoridades americanas irão obter por meio de criptomoeda confiscada. Em 2014, o US Marshals — uma unidade da polícia federal americana – leiloou quase 30 mil bitcoins, um lote confiscado de associados com o mercado negro Silk Road, oito meses depois do FBI ter apreendido seu fundador, Ross Ulbricht. Hoje a mesma quantidade da criptomoeda valeria US$ 531 milhões.

[Associated Press/Ars Technica]

 




VOLTAR AO TOPO