Gizmodo



google

O engenheiro de software do Google que escreveu o manifesto de dez páginas contra as iniciativas de diversidade dentro da empresa foi demitido, segundo a Bloomberg.

Um comunicado do CEO do Google, Sundar Pichai, na noite desta segunda-feia (8), obtido pelo Recode, diz que “partes do memorando violam nosso Código de Conduta e ultrapassam a linha ao promover esteriótipos negativos em nosso local de trabalho”.

O Google não respondeu aos diversos pedidos de comentário do Gizmodo a respeito do status do emprego do engenheiro, James Damore. No entanto, a Bloomberg – citando um email de Damore – disse que ele foi demitido por “perpetuar esteriótipos de gêneros”.

Damore trabalhou como engenheiro de software sênior no escritório do Google em Mountain View desde 2013, de acordo com seu perfil no Linkedin. Seu manifesto, intitulado “Câmara de Eco Ideológica do Google” viralizou internamente e foi noticiado pelo Motherboard no sábado. O Gizmodo publicou em seguida o conteúdo da carta na íntegra.

Um engenheiro do Google disse ao Gizmodo que funcionários reportaram o autor do memorando ao setor de recursos humanos e pelo menos um deles com uma reclamação que citava “ambiente de trabalho hostil”.

Mais, do comunicado de Pichai:

Sugerir que um grupo dos nossos colegas tenha características que os tornem menos adequados biologicamente a esse trabalho é ofensivo e não é algo OK. É contrário aos nossos valores básicos e nosso Código de Conduta, que espera que “cada Googler dê o seu máximo para criar uma cultura dentro do espaço do trabalho que seja livre de assédio, intimidação, vieses e discriminação”.

Embora a resposta inicial do Google sobre o escândalo do memorando anti-diversidade tenha sido indiscutivelmente fraca, a demissão de Damore – se realmente aconteceu – poderia sinalizar as tentativas da empresa de levar os problemas de diversidade e inclusão mais a série, e com um senso de urgência. O Google foi recentemente acusado pelo Departamento de Trabalho dos Estados Unidos de ter uma “diferença salarial entre os gêneros “extrema”. Em 2013, a companhia puniu um de seus engenheiros por criar mais transparência interna a respeito dos salários.

Imagem do topo: Getty






VOLTAR AO TOPO