Gizmodo



hands-on

A quarta geração do Moto G veio em dose tripla, com o Moto G, o Moto G Plus e o Moto G Play. Mas como está a nova família do smartphone mais popular do Brasil?

>>> As especificações do Moto G4, Moto G4 Play e Moto G4 Plus com leitor de digitais

Hoje, durante o evento de lançamento dos novos smartphones em São Paulo, a Lenovo disse que já vendeu 16 milhões de unidades do Moto G desde o seu lançamento no final de 2013. Mas vamos lembrar que a primeira geração do Moto G custava a partir de R$ 649. Quem quiser a quarta geração dele hoje vai precisar desembolsar ao menos o dobro disso – o Moto G4 sai por R$ 1.299.

Se em 2013 era fácil recomendar o Moto G, podemos dizer o mesmo em 2016? Difícil dizer sem um teste mais aprofundado, mas o preço – que era um dos seus maiores diferenciais lá atrás – não é mais tão atrativo. Esse era um problema que o Moto G 2015 já enfrentava, sendo mais caro e em um mercado muito mais concorrido do que antes. Agora as coisas estão ainda mais complicadas.

Moto G4

motog-dest1

Mas vamos falar sobre os dispositivos em si. O Moto G4 está maior, agora com uma belíssima tela TFT de 5,5 polegadas Full HD, enfim abandonando os 720p que o acompanhavam desde seu lançamento inicial. A nova tela é ainda mais bem-vinda por causa da inclusão da TV HD – para quem gosta do recurso, é muito mais agradável poder assistir a programas em alta definição do que nas qualidades toscas que víamos no passado.

Ele ficou maior mas não ficou difícil de segurar. Ou talvez eu já tenha me acostumado tanto a smartphones grandes que já não me assusto mais ao pegar um com tela de 5,5 polegadas.

Mas o que importa é que, apesar de grandão, o Moto G4 não é difícil de segurar. A traseira dele não é mais levemente arredondada – apenas as bordas do aparelho são assim – mas não senti nenhuma perda de ergonomia por causa disso.

A tampa traseira é removível e, hoje, foi exibida em duas versões. Uma delas era vermelha siliconada que dava um pouco de impressão de segurar uma borracha. A outra, preta, é texturizada e bem agradável de segurar.

Nesses testes rápidos em eventos de lançamento de smartphone, é bem difícil fazer uma boa avaliação do desempenho do dispositivo, mas a primeira impressão é boa: com 2 GB de RAM e processador Snapdragon 617 octa-core, o Moto G4 conseguia abrir até mesmo jogos pesados sem muito esforço, e a transição de um app para outro pela multitarefa também agradou.

Novamente, esse é o tipo de coisa que pode funcionar bem diferente em testes mais aprofundados, mas não tive muito tempo para isso, e o que vale aqui é a impressão inicial.

Moto G4 Plus

gplus-1

Não há muita diferença entre o G4 e o G4 Plus, limitando-se basicamente à inclusão do sensor de digitais e de uma câmera de 16 megapixels com foco a laser. Sobre o segundo recurso, é difícil fazer uma análise boa com tão pouco tempo com o aparelho em mãos. Já o primeiro deu pra ser bem testado: o cadastramento das digitais é simples e demora bem pouco (você pode registrar até cinco dedos diferentes para o sensor reconhecer), e a velocidade de leitura é ótima – em menos de um segundo, você consegue desbloquear o aparelho.

Mas uma coisa precisa ser dita: diferentemente do que imagens podem dar a entender, o sensor de digitais do Moto G4 Plus não fica no botão home. Ele fica abaixo da tela, mas não adianta nada pressioná-lo com o smartphone já desbloqueado. O botão home é virtual, como era nas gerações anteriores do smartphone. Em um primeiro momento isso dá um baita nó no cérebro:  minha reação inicial era de sempre buscar o sensor quando queria voltar à tela inicial, para então perceber que isso não adiantava, e aí pressionar o botão home de verdade.

Não é uma crítica ao Moto G4 Plus, e sim mais uma observação. É o tipo de coisa que incomoda no começo mas, com um tempinho de uso, você se acostuma.

Moto G4 Play

gplay-1

Se o Moto G4 está caro, a Lenovo promete um smartphone com bom desempenho a um preço mais acessível nos próximos meses. Ainda sem preço final definido, o Moto G4 Play deve custar menos de R$ 1.000, mas ele perde um pouco em desempenho em relação aos dois irmãos, substituindo o processador Snapdragon 617 por um Snapdragon 410 quad-core de 1,2 GHz.

Como o aparelho ainda não está pronto para ser vendido, os modelos para teste não estavam com o software final e, por isso, não podiam ser devidamente testados. A Lenovo deixou os dispositivos rodando um jogo e era basicamente isso o que dava para fazer com ele. Portanto, não tenho como falar nada sobre o desempenho dele.

Mas o Moto G4 Play é menor do que seus irmãos e disso dá para falar. Quem achar 5,5 polegadas grande demais pode usar o Play com 5 polegadas, mesmo tamanho de tela da versão do ano passado.

O Moto G4 e o Moto G4 Plus já estão à venda no Brasil custando entre R$ 1.299 e R$ 1.499. O Moto G4 Play chega às lojas em agosto custando até R$ 1.000.




VOLTAR AO TOPO