Gizmodo



fotografia

Nos últimos meses, várias companhias mencionaram o termo “blockchain” e suas ações subiram. Entraram nesse balaio a dona do Hooters, uma empresa de chá gelado e uma empresa de biotecnologia, cujo CEO vendeu cerca de US$ 870 mil em ações após a alta. Agora, olha só quem entrou na onda: a Kodak, que logo anunciou uma criptomoeda.

Como a Kodak sobrevive na era pós-filme fotográfico

É isto mesmo. Segundo o The Verge, A Kodak agora entrou em um empreendimento que envolve moeda digital e blockchain, o protocolo de registro e base de dados distribuídos, que é usado como base para criptomoedas. Após anunciar “uma grande iniciativa usando o protocolo e a uma criptomoeda” na terça-feira (9), as ações da Kodak passaram a valer US$ 6,80 após ficar valorada em US$ 3 durante toda a semana. É a mágica do cripto-blockchain funcionando!

Do anúncio da empresa:

As KodakCoins vão funcionar como tokens dentro de um plataforma de gerenciamento de direitos chamada KodakOne e que vai funcionar com o protocolo Blockchain.

A plataforma vai criar uma espécie de registro digital de direitos de propriedade que fotógrafos poderão se registrar e licenciar trabalhos novos e antigos. Tanto a plataforma como a criptomoeda foram pensadas para “empoderar fotógrafos e agências para que tenham um maior controle de gerenciamento de direitos de imagem”, segundo um comunicado de imprensa.

A moeda digital tem como objetivo criar um novo meio para fotógrafos receberem pagamento e venderem seus trabalhos em uma plataforma segura.

Em um comunicado, Jeff Clarke, CEO da Kodak, disse: “Para muitos da indústria da tecnologia, ‘blockchain’ e ‘criptomoeda’ são apenas as palavras do momento, mas para fotógrafos que sofrem em reivindicar o controle sobre seu trabalho e como ele é usado, estes termos podem ser a chave para resolver o que sempre pareceu um problema quase impossível de resolver.”

Ao site Barrons, Clarke disse que a tecnologia blockchain seria “tremendamente significante” no futuro, embora ele tenho reconhecido que “isso não muda os fundamentos da empresa de uma forma que deveria dobrar o valor das ações.”

[The Verge]

Foto do topo por Pixabay




VOLTAR AO TOPO