Gizmodo



teclado

“Você conheceu Jacob?” é a primeira pergunta que me fazem, dentro de uma pequena sala de reunião, no coração do campus do Facebook, Menlo Park, onde fãs de teclado de toda a região da área da baía de São Francisco atravessaram a chuva para mostrar suas criações. Muitos deles gastaram milhares de dólares em suas coleções de teclados, com teclas e interruptores customizados.

• Por que o som de cada teclado de computador é tão diferente
• O teclado compacto para gamers da Logitech não é tão compacto assim, mas é uma delícia de usar

A maioria dessas pessoas (primariamente homens) tem conversado no Reddit, DeskAuthority, geekhack, e Discord há anos. Eles se comunicam de formas que a maioria de nós nunca ouviu falar, e com o tempo, formaram panelinhas. Embora a maioria dos teclados sejam mecânicos, com grandes molas em cada tecla, existem alguns adeptos de membranas no grupo, que usa o mecanismo mais esponjoso similar ao que tem no seu velho teclado Dell que você não toca há anos.

teclado-2Um teclado sem fio feito à mão. (Imagem: Alex Cranz/Gizmodo)

Em um canto, tem um garoto com um teclado que você poderia comprar em qualquer lugar. Ele está se aproximando de um grupo que parece de pais e avôs que colecionam teclados há anos. Outro, um engenheiro do Facebook, de fato construíu seu teclado mecânico Bluetooth porque ele achou que os teclados mecânicos sem fio do mercado eram um lixo.

teclado-3Um teclado Planck feito à mão. (Image: Alex Cranz/Gizmodo)

Perto da mesa de lanches estão alguns funcionários mais novos do Facebook. Um deles tem um teclado Planck, um teclado popular que você precisa construir você mesmo, soldando interruptores e placa de circuitos (PCB) à mão. Ele até programou o dele para fazer altos barulhos de videogame, em grande parte para irritar seus colegas de trabalho.

Mas uma mesa está cheia de teclados de fãs de todos os grupos. Eu dou uma olhada conforme eu absorvo os teclados customizados e importados, mas todo mundo com quem eu falo me aponta para a direção de uma mesa. “Você já falou com Jacob?”.

“Não”, eu digo para eles. Mas eu vou falar com ele. Jacob Alexander é o homem que me fez voar metade do continente para encontrar. No mundo dos fãs de teclados, Alexander, conhecido como Haata nos fóruns, é rei, uma lenda da comunidade online e fora dela. Ele é um dos líderes de um novo tipo de inovadores pronto para revolucionar a digitação.

A princípio, parece uma ambição ridícula. Apesar da riqueza de conhecimento dos homens e mulheres da comunidade de fãs de teclados, eles ainda estão apenas expandindo em um sistema tão sólido que não muda em 144 anos. Nós estamos apertando teclas com os dedos em algum tipo de teclado desde que a máquina de escrever Sholes and Glidden foi lançada em 1873, e o desenho dos teclados tem se mantido bem consistente. Raros designs alternativos como a mais antiga bola de escrever Hansen (1870), a linha ergonômica Maltron (1977) ou o teclado customizável Planck (2015) são exceções. Ainda assim, isso não dissuadiu Jacob Alexander. Ele genuinamente acha que existe mais a ser feito com o principal dispositivo de entrada dos nossos computadores.

teclado-4Um raro teclado Maltron da coleção de Jacob Alexander. Feito para ser usado com apenas uma mão. (Imagem: Alfonso Solis/Gizmodo)

Depois do encontro de quatro horas, Alexander cuidadosamente embrulha os teclados que ele trouxe, que ele desenhou com seus parceiros na pequena startup Input Club. O começo do show foi o K-Type, uma placa branca com LED multicolorido ao redor da base e teclas acesas, mas alguns fãs ainda estavam de olho no mais antigo White Fox, que foi lançado em dezembro de 2015 e não tem todas as luzes chamativas.

Começado em 2014 por Alexander e sua turma, o Input Club e seus teclados altamente antecipados ficam no centro dessa nova mania que está rapidamente se espalhando online. Os fãs de teclados do Reddit dizem ter perto de 200.000 membros, e a comunidade como um todo é grande o bastante para apoiar companhias inteiras, como os fabricantes de teclas Signature Plastics, e importador de teclado Mechanical Keyboards Catalog. Por enquanto, Alexander e os outros quatro membros do Input Club tratam a fabricação de teclados como um projeto paralelo, e se sustentam com outros empregos. À noite eles se encontram online para desenvolver seus planos de construção e venda de novos teclados, e ganhar dinheiro com o sucesso de seus projetos anteriores, como o White Fox.

O White Fox regularmente aparece no MassDrop, um site popular que organiza compras de grupo em desconto diretamente com os fabricantes. O White Fox vende cerca de 2.000 unidades sempre que entra na promoção, e então fica muito mais caro no eBay ou no MechMarket do Reddit. Quando ele não está disponível no MassDrop, você pode esperar gastar algo entre US$ 200 ou US$ 300 em um White Fox pré montado. Por comparação, um teclado mecânico da Logitech custa a partir de US$ 80.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs teclas azul claro do White Fox para esc e direção imediatamente chamam atenção aos olhos. O K-Type é maior e é reconhecível pelos LEDs. (Imagem: Alex Cranz/Gizmodo)

O teclado mais recente do Input Club é o K-Type, que acabou de ser lançado no MassDrop. É um teclado com dez teclas a menos, o que quer dizer que o teclado de números foi retirado para diminuir o seu tamanho. Ele é facilmente um dos teclados mais confortáveis que eu já usei, com uma base sólida de alumínio com LED multicolorido percorrendo suas beiradas, e algumas das luzes mais claras que eu já vi em um teclado.

A maioria dos membros dos fãs de teclados tendem a ignorar teclados com luzes, os vendo como sendo parte de uma moda ou de entusiastas gamers, mas o K-Type já tem seu culto nos fóruns com milhares prontos para gastar US$ 200 no teclado. Ninguém pode me dizer precisamente por que eles gostam dele contra um teclado chamativo da Razer ou Logitech. A não ser Alexander.

teclado-6Um brilhante K-Type. (Imagem: Alex Cranz/Gizmodo)

Conforme ele me segue até meu carro alugado, Alexander exalta as virtudes do K-Type. “Não é perfeito, mas é mais próximo do que eu enxergo que podemos fazer com teclados”, ele disse. Ele nota como todas as configurações padrão são guardadas no próprio teclado. Quer trocar a tecla Esc pela Tab, ou mudar o Caps Lock com o Shift? Ou talvez você finalmente esteja pronto para abandonar o padrão QWERTY pelo hipster Colemak, que completamente rearranja a ordem das teclas para colocar as usadas mais frequentemente nos dedos mais fortes. É só uma questão de usar o firmware open source do Input Club para mudar as coisas. Quando ele estiver instalado em um teclado, não existe software extra necessário para carregar no computador, o que quer dizer que ele se lembra das configurações de computador para computador. É algo mínimo para a maioria das pessoas, mas para essa legião de fãs, é grande coisa.

Quando chegamos no carro, a chuva que tinha caído o dia todo finalmente parou e virou uma neblina. Ela embaça os óculos de Jacob e gruda em seu cabelo loiro claro. ele é um sujeito alto, alongado como um jogador de basquete, com um sorriso esquisito que não tem como você não achar charmoso.

teclado-7Imagem: Alfonso Solis/Gizmodo

E ele nunca para com seu entusiasmo. Ele estava de pé há mais de quatro horas, mas conforme pegamos uma viagem de quarenta e cinco minutos de Menlo Park para seu laboratório no centro de San Jose ele não para de falar. Ele tem grandes sonhos e está feliz em compartilhá-los, confessando que ele entrou no Input Club e construiu seu laboratório de teclados porque talvez mais do que qualquer outras pessoa no encontro do Facebook, ele “quer mudar a forma como digitamos”.

Porém ele não consegue me dar exatamente o que tem visado. Não tem uma ideia futurista que ele está tentando compartilhar comigo. Ao invés, ele está tentando refinar e melhorar os teclados que já temos. A maioria de nós está usando laptops que usam interruptores tesoura, ou estamos usando teclados baseados em membranas nos nossos escritórios junto com nossos computadores. Os realmente infelizes estão escrevendo numa superfície de vidro de um tablet ou usando um teclado de iPad terrível. Alexander acha que todos nós podemos ter uma experiência melhor.

Embora o teclado pareça simples o bastante, existe muito acontecendo dentro que muda as dinâmicas de como digitamos. Existem fatores óbvios, como o tipo de interruptor, o formato da tecla, ou a disposição da placa. Também tem a entrada: Bluetooth ou USB-C ou o USB 3.0. Ou o software, que deixa você programar que tecla envia que sinal ou que tecla brilha com qual cor. Existe até a placa PVB: A placa de circuito onde os interruptores são ligados.

teclado-8Uma visão de perto de uma PCB. Cada pedaço prateado foi soldado a mão por Jacob. (Image: Alfonso Solis/Gizmodo)

Jacob e seus colegas do Input Club, como o resto da comunidade de teclados, tem uma fascinação por esses componentes todos. E Jacob me diz, na nossa viagem até San Jose, que ele não acha que essas peças tem recebido a atenção devida das grandes empresas. É por isso que ele quer “perturbar” o mundo dos teclados e fazer inovações que façam os grandes, como Razer e Logitech, repararem. O que é possível. Um representante da Logitech com quem falamos estava ciente do White Fox e tanto a Razer quanto a Logitech admitiram ao Gizmodo que eles observam pequenos produtos que chamam bastante atenção.

Alexander fala como os gigantes tecnológicos que Silicon Valley endeusou. No entanto ele não é um daqueles nerds da próxima geração que povoam as firmas de investimento que vemos em Nova Iorque. Ele é inequivocamente um geek.

E se você por algum acaso não reparar isso em uma reunião de teclados na área de baía de São Francisco, isso fica imediatamente aparente quando você entra no seu laboratório, que fica situado no último andar de um dos prédios mais antigos e altos de San Jose. Eu vejo o sol se for desse ótimo ponto de vantagem conforme ele cuidadosamente desembrulha os teclados e os devolve para a sua coleção de mais de 500.

teclado-9Jacob em seu laboratório Input Club em San Jose. (Imagem: Alfonso Solis/Gizmodo)

Alexander tem colecionado eles há anos agora. O que começou como um hobby quando ele estava estudando no Japão, se transformou em um laboratório completo.

O laboratório é separado em três grandes partes. Uma é uma área de descanso usada primariamente pelo dono do espaço. Me lembra de um escritório em qualquer startup mal direcionada. Tem uma grande TV e uma mesa de bilhar, e aquela vista impressionante da cidade. Jacob gasta seu tempo nas outras duas partes do espaço. De um lado, tem uma mesa cheia de teclados indo até os anos 60, de lugares distantes como a Rússia. Atrás deles tem uma série de estantes. Cada uma com dezenas de caixas de papelão branco meticulosamente catalogadas com teclados dentro.

teclado-10Fileira atrás de fileira de teclados guardados em grandes prateleiras que vão até o teto. (Imagem: Alfonso Solis/Gizmodo)

A outra metade do espaço se parece mais com um laboratório tradicional, tem uma estação para checar a voltagem dos teclados e seus sinais de entrada e saída. Outra mesa grande está coberta de meia dúzia de ferros de solda.

A parte mais importante do laboratório de Jacob é que ele é fácil de não notar. Cada fã de teclado tem um componente que eles gostam mais do que os outros. “Eu sou um cara dos interruptores”, Jacob disse. Ele é fascinado com o mecanismo que você aperta para registrar uma entrada no dispositivo de computação. Interruptores vão dos de membrana usados nos computadores comuns, aos interruptores tesoura do seu laptop, aos mecânicos que a maioria dos entusiastas de teclados modernos costuma gostar.

E cada interruptor mecânico é diferente. Pessoalmente, eu tenho três tipos na minha mesa, o popular Cherry Brown que você encontra em um laptop mais fresco, o velho ALP popularizado pelos teclados mecânicos da apple e os Topres mais novos, que são um híbrido entre os mecânicos e de membrana.

Cherry foi fundada em 1953 e tem feito interruptores mecânicos desde 1984. É de longe o fabricante mais popular de teclas e a companhia inspirou diversos “clones” como a Gateron, Kaihua e Zealio. São essses clones que interessam especialmente Jacob. Apesar de parecerem o mesmo de fora, cada interruptor tem uma sensação diferente.

Tradicionalmente a sensação é caracterizada ao notar a distância que leva entre uma tecla “chegar ao fundo” na placa e a quantidade de força necessária para apertar a tecla. Mas Jacob queria ir além. Ele entendeu que a força necessária para apertar uma tecla não é constante, mas é uma curva. Não existe uma máquina disponível para os consumidores ou startups mediram tal curva de força.

teclado-11Jacob em sua mesa de teste de interruptores. Todos esses números em seu monitor querem dizer alguma coisa. (Imagem: Alfonso Solis/Gizmodo)

Então Jacob construiu seu próprio. Ele adquiriu um dinamômetro que você pode comprar em qualquer loja de suprimentos e o colocou em robô conectado ao seu computador. Desde que montou essa mesa, Jacob mediu centenas de teclas. Isso inclui cada interruptor nos teclados de seu laboratório, além de muitos construídos por fãs que fazem o teclado do zero. Ele faz isso com uma facilidade praticada, e ele me guia através do processo, o que pode levar mais de dez minutos para cada interruptor. Precisa de muitos códigos complicados que ele faz na hora em uma janela de terminal do seu desktop baseado em Linux.

teclado-12Testando a curva de força de um interruptor Zealio usando o equipamento customizado de Jacob. (Image: Alfonso Solis/Gizmodo)

Quase todas as noites, quando a maioria de nós estaria desligando nossos cérebros depois de trabalhar o dia todo, Jacob vai até seu laboratório, junta um monte de teclas e as testa, geralmente ficando até às onze ou mais tarde. “Eu consigo testar umas trinta por noite”, ele admitiu.

Quando seu colega do Input Club, Andrew Lekashman me disse sobre a máquina de teste, que ele defendeu como parte da devoção do Input Club em construir o teclado perfeito e decidir precisamente que interruptor instalar na próxima placa. Mas os objetivos privados de Alexander são um pouco mais ousados. “Os teclados foram ignorados desde os anos 80”, ele disse, “estou tentando ajudar o resto da comunidade de teclados, os empurrando para frente”.

Alexander e seus amigos do Input Club não são os únicos hobistas que tem esperança que suas inovações se transformem em trabalhos em tempo integral. A comunidade dos teclados está crescendo. Um dos centros da comunidade, r/MechanicalKeyboards no reddit, ganha mais de 1.000 seguidores toda semana. A indústria apoiada por esses fãs também está crescendo.

teclado-13Jesse Vincent, centro, mostrando o Keyboardio Modelo 01 em um encontro de teclados recente. (Imagem: Alex Cranz/Gizmodo)

No encontro no Facebook, Jesse Vincent mostrou seu enorme Keyboardio Model 01. Depois de Jacob ele é o cara que as pessoas que sabem do que estão falando me encorajam conhecer. Sua parceira, Kaia Dekker, está ausente, mas Jesse tem energia o bastante para segurar a sessão de quatro horas apesar das frequentes perguntas sobre o seu estranho teclado ergonômico.

Essa mistura de madeira e máquina começou sua vida como um hobby em 2012, antes de se transformar em um Kickstarter em 2015 que ganhou US$ 650 mil. Desde então, o projeto tem encontrado diversos atrasos, geralmente envolvendo processo de manufatura, um problema comum para novos empreendedores em sites de crowdfunding. Vincent suspira sempre que alguém pergunta quando o Model 01 finalmente vai ser lançado. Ele tem lidado com os apoiadores já há dois anos agora. A primeira leva, ele diz aos curiosos, a voz com o desespero, deve ser lançada ao final de 2017.

teclado-14Um close do Model 01. (Imagem: Alex Cranz/Gizmodo)

Henry Liu e seu pequeno time na Zeal PC desenvolveram um culto entre os entusiastas de teclado também, e diferente do Keyboardio, eles não tiveram muitas dificuldades de manufatura. Evitando o crowdfunding, e os problemas de fazer tudo sozinho, Zeal PC se junto com a Gateron em 2015 para fazer os populares interruptores de Liu, os Zealio. Fãs gastam felizes US$ 1 por interruptor. Isso é mais de US$ 60 só com interruptores, sem incluir o PCB, caixa, teclas ou trabalho necessários para transformar esses interruptores em um teclado.

Liu (que atende por Zeal nos fóruns) diz que o negócio é lucrativo o bastante que apoia ele e outro membro da equipe. “É basicamente eu trabalho principal”, ele disse ao Gizmodo.

Jacob Alexander é um fã do trabalho de Liu, especialmente com a Gateron. “Ele colocou eles no caminho certo”.

teclado-15Um interruptor Zealio 62g. (Imagem: Alfonso Solis/Gizmodo)

A chave para o sucesso de Liu é sua atenção ao detalhe quando criou o interruptor Zealio. Ele começou como uma modificação do popular Cherry Clear. “Eles chegavam ao fundo com cerca de 100 gramas”, ele diz imediatamente usando a língua dos fãs de teclados. Clear deveriam chegar ao fundo em algo próximo a 60g, o que quer dizer que precisaria de menos força para os usuários apertarem a tecla. O negócio original de Liu, em 2014, era meticulosamente modificar interruptores individuais e substituir as molas de cada um à mão.

Então Liu fez um acordo com a Gateron, conhecida por seus populares clones Cherry, e começou a produzir seus próprios interruptores Zealio. A principal diferença desses interruptores contra similares da Cherri foi o processo de modelagem. De acordo com Liu, a Cherry não faz a manutenção devida dos moldes onde os interruptores são feitos. “Parece uma lixa”, ele disse. Isso leva a fricção quando você aperta a tecla. Que, por sua vez, leva à sensação de arranhação que Liu e outros fãs sentiram.

teclado-16À esquerda está um interruptor Zealios. Na direita um Cherry Brown. O interruptor marrom parece bem mais áspero ao olho nu, e Liu diz que isso leva a uma arranhação irritante. (Imagem: Zeal PCs)

A diferença entre seus interruptores e os Cherry são tão aparentes para os fãs que eles gastam felizes entre sessenta a cem dólares só em interruptores, para soldá-los eles mesmos ao PCB. E esses fãs de nicho estão dispostos a gastar tanto dinheiro permitiram que ele fosse atrás de outros projetos com a marca Zeal, como o Zeal 60 PCB.

PCB é a placa de circuito onde os interruptores são soldados, essencialmente, é o coração do teclado. Liu orgulhosamente fala que o seu é o primeiro PCB totalmente open source com customização total RGB. Se você soldar os interruptores e leds você mesmo, vai ter um teclado que qualquer gamer adoraria. O que quer dizer que você pode escolher precisamente qualquer tecla no teclado a uma cor de luz específica.

teclado-17O Zeal60 PCB com interruptores pré instalados. (Imagem: ZealPC)

Se esse teclado, quando construído, parecer absurdamente parecido com o K-Type que descrevemos acima do Input Club de Alexander, vocÊ pode estar certo. Mas, “nós fomos os primeiros”, Liu disse. “K-Type é o primeiro completamente montado”. No momento qualquer um pode pedir a placa PCB de Liu e construir seu teclado ultra customizado, mas o K-Type do Input Club vai ser o primeiro que vem inteiramente montado. Sem um ferro de solda, ou dinheiro extra por interruptores, apenas um belo de um teclado.
E se você acha que existe uma séria competição entre os titãs da digitação você está errado. “Eu não tenho nada de ruim a dizer sobre esses caras”, Liu disse dando uma risada. “Eu acho que o que eles estão fazendo é ótimo. Tudo é open source. Quando a placa é lançada eles estão felizes em mostrar seus designs. eles estão realmente inovando”.

Henry Liu aponta que a vontade do Input Club tornar tudo open source é o motivo para a companhia ser considerada tão inovadora na comunidade. Com o K-Type, se você não gosta de algo nele, você pode alterar. Você pode soldar o seu próprio teclado usando suas especificações ou mudar os interruptores de teclas e alterar o software. Dado que você tenha o conhecimento tecnológico, você pode modificar um K-Type o quanto quiser e criar um teclado completamente novo usando seus esquemas.

 teclado-18Teclados no encontro no Facebook, meticulosamente catalogados. (Imagem: Alex Cranz/Gizmodo)

A disposição de fazer o necessário para deixar a comunidade feliz e conseguir ir o mais fundo possível é a grande razão por que o Input Club e Zeal PC tem os seguidores que tem. Essas companhias são direcionadas por suas paixões. Tudo bem se suas margens de lucro são pequenas. O Zeal PC apoia dois membros em tempo integral, enquanto a maioria do pessoal do Input Club tenha outros trabalhos. Eles são pequenos o bastante para conseguirem assumir o risco de construir teclados open source super customizáveis a US$ 200.

Essa flexibilidade é algo que companhias maiores de teclados não tem. Logitech, com mais de US$ 2,21 bilhões em vendas, é uma das maiores companhias de periféricos de computadores do mundo. Diferente de muitos de seus competidores no jogo dos teclados, ela também é uma companhia pública, o que limita em muito os tipos de produtos mais ousados que ela pode fazer, e ela tem que responder não apenas aos fãs, mas aos donos de ações.

“Nós não podemos tomar esse tipo de risco”, Andrew Coonrad, um gerente de marketing técnico da Logitech explicou. “Mas se tem essas pessoas que são pioneiros, todas as indústrias dependem de pessoas como essas para descobrir coisas novas e interessantes e se isso se tornar muito popular e as pessoas quiserem esse tipo de coisa, certamente nós vamos querer envolver essa filosofia de design nos nossos produtos”.

Isso não quer dizer que a Logitech não experimenta, seus interruptores mecânicos Romer-G tem alguns fãs na comunidade de teclados porque o LED embaixo dos interruptores é especialmente vibrante, e suas novas teclas são únicas o bastante para serem extremamente controversas na comunidade.

teclado-19As teclas customizadas da Logitech encontradas no novo g413 de US$ 80. (Imagem: Logitech)

Na verdade a Logitech insiste que é tão obsessiva em encontrar o interruptor perfeito quanto Alexander. Seus representantes discordaram quando eu disse que Jacob Alexander disse que não tem tido um estudo genuíno sobre eficiência de digitação e ergonomia desde os anos 1960. “Existem”, Coonrad disse ao Gizmodo. “Nós apenas não compartilhamos nossas descobertas”.

Kushal Tandon, o gerente de projetos de teclados da Razer também foi rápido em defender os gigantes da indústria, em uma declaração por e-mail ao Gizmodo. “Nós trabalhamos com o único foco de entregar o melhor produto para o gamer profissional e atletas e e-sports, e é por isso que desenvolvemos o nosso próprio interruptor mecânico em 2014”.

Os interruptores Razer, na verdade, se parecem muito com os Cherry, apesar de como os interruptores Zeal eles definitivamente parecem ser mais “suaves”.

teclado-20O teclado mecânico Razer BlackWidow X Chroma. (Imagem: Alex Cranz/Gizmodo)

Mas nada do Razer ou Logitech consegue alcançar os altos padrões dos interruptores feitos por Zeal ou Input Club. Os homens por trás dessas companhias amam os interruptores que precisam de muita força para serem apertados, forçando os dedos a se lembrarem dos dias das máquinas de escrever. Os teclados da Logitech precisam de muito menos pressão, que a companhia acha que tem muito mais apelo de mercado.

Talvez seja isso que esteja impedindo o K-Type de estar em uma estante de loja ao lado de um teclado Chroma ou Romer-G. Algumas pessoas usam seus smartphones como seus computador principal, e outras usam um MacBook Pro com suas teclas notavelmente rasas. As pessoas simplesmente nunca experimentaram teclas melhores.

teclado-21Fãs no encontro do Facebook fazendo um pequeno teste de velocidade de digitação. Imagem: Alex Cranz/Gizmodo)

Alexander acha que esse é o caso. “Todo mundo precisa digitar”, ele disse com uma risada. Ele só quer ter certeza que estejamos digitando da melhor maneira possível. Mesmo com sua máquina gigante e centenas de horas de pesquisa, ele insiste que não existe uma fórmula mágica para a perfeição ainda. “Não existe o melhor teclado… Existe o melhor teclado para você”.




VOLTAR AO TOPO