Gizmodo



Intel

O ano começou mal para muitas empresas de tecnologia: as falhas de segurança Meltdown e Spectre afetam praticamente todos os processadores e desde a sua revelação as companhias trabalham para corrigir, ou pelo menos atenuar a falha. E sabemos que a correção da falha pode causar uma queda de desempenho nas máquinas. Nesta semana, a Intel publicou um material que mostra os resultados de benchmark que indicam o quão mais lento ficarão nossos computadores.

• Como saber se você ainda está vulnerável ao Meltdown e Spectre
• Microsoft interrompe correção para alguns processadores AMD por causarem tela azul

Segundo a companhia, após instalar as correções para o Meltdown e Spectre no Windows, a queda de desempenho geral chega até 10%. Em alguns, os usuários não sentirão diferença alguma, mas em tarefas mais pesadas a tendência é que seja notada uma performance menor.

A Intel chegou a essa conclusão depois de rodar testes de desempenho em computadores com a sexta, sétima e oitava geração de seus processadores, em máquinas rodando Windows 10. De acordo com a companhia, máquinas com os chips mais recentes, de oitava geração (Kaby Lake, Coffee Lake), e com SSD, serão as menos afetados, com queda aproximada de 6% na performance.

Os dispositivos que utilizam os processadores Kaby Lake-H de sétima geração ficarão cerca de 7% mais lentos, enquanto que os Skylake-S de sexta geração mostraram queda de aproximadamente 8%. A margem de erro dos testes é de 3% para mais ou para menos.

O fator mais preocupante na queda de desempenho é no tempo de resposta, basicamente a taxa que leva para se abrir um aplicativo, um arquivo, navegar com múltiplas abas, lidar com multitarefa, manipular imagens, criptografar e compactar arquivos e instalar aplicações em segundo plano. Como muito bem aponta o pessoal do TechCrunch, é basicamente o que todo mundo faz em um computador.

Os processadores mais antigos sofrerão mais. Por exemplo, o Core i7 6700K de sexta geração, lançado em 2015, mostrou queda de 8% na performance geral no benchmark SYSmark 2014 SE e 21% de queda em responsividade, isto no Windows 10. Por outro lado, esse mesmo processador rodando Windows 7 demonstrou queda de 6% no geral e 11% em responsividade.

Um computador com o Core i7 8700K Coffee Lake, no mesmo benchmark SYSmark 2014 SE, demonstrou queda de 6% na performance geral e 12% no tempo de resposta.

Você pode conferir a tabela com todos os testes e resultados neste link, ou na imagem abaixo.

A Intel diz que está coletando mais informações sobre o impacto de desempenho em suas plataformas e que irá liberar mais dados em breve. A expectativa é que na semana que vem eles mostrem os números de chips para desktop e laptops lançados nos últimos cinco anos. Além disso, a companhia afirma estar trabalhando com os parceiros para diminuir esses impactos de performance em atualizações futuras.

Enquanto isso, eles enfrentam um outro problema: nesta quinta-feira (11), foi confirmado que após a atualização para as falhas, alguns computadores com chips antigos Broadwell e Haswell estão apresentando reinicializações repentinas com mais frequência do que o normal. Em um comunicado, o gerente geral do grupo de centro de dados da Intel, Navin Shenoy, afirmou que já foram recebidos relatos e que já estão trabalhando para eliminar o problema.

A companhia afirma que ainda não foram relatadas explorações das falhas Spectre e Meltdown, mas a melhor opção é sempre realizar as atualizações de segurança. Vai que uma hora acontece um ataque, né?

[TechCrunch, Reuters, Engadget, Intel]

Imagem do topo: Gizmodo/Alex Cranz




VOLTAR AO TOPO