Gizmodo



LG

[Review] LG G6: básico até demais

Por:

31 de março de 2017 às 18:40

COMPARTILHE 58 0

É difícil se destacar no mundo dos smartphones, especialmente se o seu celular não faz nada único. A LG sabe disso e nunca se esquivou de tentar colocar novas ideias em prática. Foi uma das primeiras empresas a utilizar telas curvas e, no ano passado, lançou um smartphone insano com “slot mágico” que permite plugar acessórios, incluindo uma câmera e um alto-falante. O aparelho foi um desastre. As críticas o rejeitaram, e apenas algumas pessoas o compraram. Este ano, a LG apertou o botão reset com o G6, um topo de linha moderno com tudo o que é essencial e nada muito além disso.

Construção e tela

À primeira vista, o G6 deixa uma ótima impressão. Ele tem uma grande e bela tela de 5,7 polegadas que preenche praticamente toda a parte frontal da tela – não há grandes bordas aqui. A construção de alumínio é robusta e satisfatória, e por debaixo do capô tem um hardware de qualidade que fica lado a lado com os melhores aparelhos disponíveis no mercado atual.

Uma coisa que você perceberá de cara são as dimensões incomuns do celular. Isso pode ser explicado pela proporção estranha de 18:9 da tela, o que o torna um pouco mais largo e alto que outros smartphones.

lg-g6-telaIsso não é uma borda. É tela extra porque o vídeo está num formato diferente em relação a tela

A diferença fica mais evidente quando você está assistindo a vídeos no YouTube ou Netflix, em que a maior parte do conteúdo não consegue preencher todo o espaço, resultando em duas bordas pretas ao longo das pontas do aparelho. Algumas séries mais recentes, como Stranger Things, foram filmadas em 18:9 e ficam fenomenais na tela. Ainda assim, a maioria dos vídeos é capturada na tradicional proporção 16:9, o que significa que ele não será comprido o suficiente para preencher todo o display do G6. Durante a semana que testei o dispositivo, eu não consegui realmente me acostumar com as bordas.

Câmeras

Mas eu realmente me acostumei com as duas câmeras traseiras do G6. São dois sensores de 13 megapixels que são bons o suficiente para competir com aparelhos topo de linha como o iPhone 7 Plus e o recém-anunciado Galaxy S8. Uma delas possui uma lente com 125º de abertura, que captura uma imagem bem mais aberta do que o iPhone 7 Plus (que chega a 75.4º), o que facilita a captura de paisagens ou daquelas fotos com bastante gente.

lg-g6-camera

A câmera de ângulo aberto adiciona muita liberdade criativa, e isso é algo que a maioria dos fotógrafos amadores irá gostar bastante. Há também uma lente grande angular na frente, o que significa que você pode tirar selfies melhores em grupo ou na frente de um fundo interessante.

Durante uma comparação lado a lado com as duas câmeras do iPhone 7 Plus, percebemos que o G6 não troca entre as lentes tão rápido quanto o aparelho da Apple. Existe um atraso de cerca de um segundo no smartphone da LG. O iPhone muda instantaneamente. Isso provavelmente não será um fator decisivo para a maioria dos usuários, mas qualquer pessoa que precise alternar entre os sensores rapidamente poderá se sentir um pouco frustrado com esse delay.

lg-g6-camera2Essa é a lente focal normal. Ela tem um quadro menor com um campo de visão mais limitado (Imagem: Michael Nuñez/Gizmodo)

lg-g6-camera3Essa é a lente grande angular. Ela tem um campo de visão muito maior (Imagem: Michael Nuñez/Gizmodo)

A inclusão de uma lente grande angular na parte frontal e traseira torna o G6 melhor (e, honestamente, mais divertido) que o Google Pixel na hora de tirar fotos. Ele te dá mais opções para registrar os momentos, e o sensor de imagem é praticamente do mesmo nível de qualidade do aparelho do Google. Eu achei a câmera bem responsiva e excelente na elaboração das imagens. É importante notar também que o Google Pixel e o Galaxy S8+, principais competidores Android, possuem uma lente de ângulo aberto nos sensores frontal e traseiro.

Software

Além das câmeras, o telefone não tem muitas características de destaque. Ele roda a interface personalizada da LG do Android e vem com apenas alguns aplicativos pré-instalados, como o Square Camera – inspirado no formato quadrado do Instagram e que permite fazer duas imagens sobrepostas. Os usuários provavelmente vão ignorar ou até mesmo desinstalar esse app, já que existem dezenas de outras alternativas.

lg-g6-traseira

O LG G6 é também o primeiro topo de linha, exceto o Pixel, a rodar o Google Assistente. Isso é uma boa surpresa para qualquer pessoa que queria utilizar o serviço mas estava relutante com o Pixel pelo hardware e pela construção desajeitada. Pessoalmente, eu não acho o Google Assistente muito útil agora – mas ele irá melhorar conforme mais pessoas o utilizarem, além de ter o potencial de ser muito útil num futuro próximo. Ele funciona, basicamente, da mesma maneira que o Google Now, mostrando-lhe informações que pensa serem importantes naquele momento.

Conclusão

Não há nenhum outro truque no LG G6. Nenhuma funcionalidade experimental, nada ambicioso demais, e definitivamente nenhuma característica que seja a melhor entre as opções disponíveis. O G6 é um aparelho simplista demais para aprimorar o desastre supercomplicado do ano passado. A LG nivelou o aparelho tão por baixo que ele não tem nada de especial. É um topo de linha que faz sentido, com tudo o que há de essencial, e nada mais do que isso.

Pelo preço (US$ 670 nos EUA, os valores no Brasil ainda não foram revelados), provavelmente você se sentirá mais atraído por outras opções do mercado. Todos os concorrentes possuem mais funcionalidades e hardware igual ou melhor ao do G6. Por US$ 100 a mais, o Galaxy S8 terá extras incríveis, incluindo um scanner de íris, um assistente com inteligência artificial, fones de ouvido de qualidade e muito mais. Desta vez, a LG apostou na segurança – mas não arriscou nada.

lg-g6-traseirafinal

Destaques

• A proporção 18:9 da tela deixa bordas ao redor dos vídeos mais populares.
• Onde estão as funcionalidades extras?
• As lentes grande angulares são incríveis e eu quero uma dessa.
• Roda Android na versão personalizada da LG.

Todas as fotos: Alex Cranz/Gizmodo




VOLTAR AO TOPO