Gizmodo



Xiaomi

O Mi A1 é o primeiro aparelho da Xiaomi a oferecer Android puro, deixando de lado a interface MIUI, marca registrada da companhia.

O novo flagship da companhia chinesa focará no mercado indiano com o slogan “Criado pela Xiaomi, alimentado pelo Google”, deixando clara a nova parceria entre as gigantes da tecnologia.

Com tela de 5,5 polegadas, resolução de 1080p, corpo de metal e câmera traseira dupla para fotos com zoom e retratos com profundidade de campo, o Xiaomi Mi A1 não se envergonha em se parecer com o iPhone 7. Nem um pouco, inclusive:

O Mi A1 traz também o processador Snapdragon 625, 4Gb de RAM, 64 GB de memória interna e bateria de 3080mAh. As lentes traseiras das câmeras são ambas de 12MP, uma com lente grande angular e outra telefoto.

Diferente dos modelos básicos da Xiaomi, o novo modelo tem entrada USB-C. Ele é quase idêntico ao Mi 5X, lançado na China em agosto, e estará disponível nas cores Black, Rose Gold e Gold.

Android One

A Xiaomi dificilmente vai deixar de produzir celulares sem a sua principalmente característica, a interface MIUI, presente em todos os aparelhos da companhia e que está, inclusive, em sua nona versão. O Mi A1 é a exceção da regra, no entanto, e o novo aparelho deixa a interface própria da companhia chinesa de lado e faz uso do Android puro por uma clara razão: o programa Android One do Google, lançado há cerca de três anos e com foco na Índia.

Como aponta o The Verge, o programa, que visa levar as mais novas experiências da plataforma Android para celular baratos, parece não ter alcançado muito sucesso até então, mas o Google pretende mudar isso.

A parceria levará o Android Oreo ao Mi A1 até o final deste ano.

O Mi A1 chega semana que vem ao mercado, dia 12, por 15.000 rupias indianas – equivalente a cerca de U$ 235 dólares.

Além da Índia, ele estará disponível também em outros 36 países, incluindo alguns da América do Sul, como Chile, Colômbia e Uruguai – o Brasil, de novo, ficou de fora.

[The Verge, XiaomiBR]




VOLTAR AO TOPO