Gizmodo



Apple

Um vírus de computador infectou sistemas em várias fábricas da Taiwan Semiconductor Manufacturing Co. (TSMC) na sexta-feira (3) à noite, perturbando as operações ao mesmo tempo em que a empresa tentava aumentar a produção para as futuras linhas de iPhones da Apple, segundo noticia a Bloomberg.

• Brasileiro é preso no Aeroporto de Guarulhos ao tentar trazer 246 iPhones de Miami
• Apple faz história e atinge US$ 1 trilhão de valor de mercado

De acordo com a Bloomberg, a empresa em questão é a “única fabricante do principal processador do iPhone”, e o veículo afirma que esta é a primeira vez que um vírus se espalhou para as linhas de produção (mais especificamente, ferramentas de fabricação controladas por computador):

O vírus não foi introduzido por um hacker, a TSMC afirmou em um comunicado.

Não está claro quem mirou a TSMC, a maior fabricante terceirizada de chips do mundo para empresas como a Apple e a Qualcomm Inc. Essa é a primeira vez que um vírus derrubou uma instalação da TSMC, lembrando os ataques cibernéticos de 2017 do WannaCry, que forçaram corporações em todo o mundo a suspender operações à medida que elas removiam o ransomware. A TSMC está trabalhando neste momento em soluções, mas a companhia afirmou que o grau da infecção variou de fábrica para fábrica e que vai fornecer mais informações nesta segunda-feira (6), depois de avaliar a situação.

Bloomberg escreveu que a produção nas fábricas da TSMC poderia ser interrompida até “pelo menos este domingo (5)”. A empresa não disse se alguma das fábricas envolvidas estava produzindo para a cadeia de fornecimento da Apple, embora a TSMC tenha anunciado neste ano que havia começado uma produção de grande volume de chips de 7 nanômetros projetados para rodarem bem ao mesmo tempo em que limitam o consumo de energia. Em maio, a companhia supostamente começou a usar o processo para fabricar chips A12 para a Apple.

Segundo o TechCrunch, ataques cibernéticos a instituições do governo e ao setor privado tailandeses são comuns e partem, principalmente, da China — que tem um longo histórico de relações tensas com Taiwan e está longe de gostar do presidente taiwanês Tsao Ing-wen. De acordo com o Taiwan News, dezenas de milhões de ciberataques (maior parte deles de baixo grau) atingem o setor público de Taiwan todos os meses, e uma reportagem da Reuters de junho deste ano citou uma fonte próxima ao governo taiwanês que teria dito que os ataques estavam ficando mais sofisticados. Paralelamente a isso, China e Taiwan são concorrentes no setor de semicondutores.

Entretanto, a causa desse ataque em particular ainda é desconhecida. O uso de ransomware e malware projetados para criptografar sistemas operacionais e arquivos de computadores com o objetivo de exigir um resgate posteriormente disparou em 2017. Não é sem precedentes que operadores de ransomware mirem empresas que não podem se dar ao luxo de ficar sem seu sistema por algum tempo, como companhias de saúde. Com um suposto lucro de US$ 11,6 bilhões no ano passado, a TSMC pode ser um alvo tentador. Por outro lado, já que o comunicado da empresa dizia que o vírus não foi introduzido por um hacker, é possível que alguém em uma rede da empresa tenha, inadvertidamente, baixado um malware.

Não está claro se o incidente irá afetar notavelmente a disponibilidade da próxima linha de smartphones da Apple, que deve ser anunciada no último trimestre do ano. No entanto, a Apple costuma ter metas de produção pequenas, então um atraso de uma semana de um de seus fornecedores provavelmente não será a única coisa a se culpar se a produção se atrasar. O analista Mark Li, da Sanford C. Bernstein, disse à Bloomberg que o impacto do ataque seria provavelmente limitado.

[Bloomberg]

Imagem do topo: Wikimedia Commons




VOLTAR AO TOPO